Antes / Depois

Maternidade não é a melhor coisa do mundo Mas seus filhos nunca deixarão de ser as pessoas mais importantes na sua vida Milene Massucato

25 de novembro de 2013

Maternidade não é a melhor coisa do mundo

A maternidade é apenas uma etapa que muitas mulheres vivenciam.

Maternidade não é a melhor coisa do mundo.

A frase de Catherine Deveny causou um certo frisson: como assim ser mãe não é a maior realização da mulher?

A comediante australiana teve muito peito em assumir sua opinião e derrubar o mito da mãe realizada.

Por muitos anos, o papel da mulher se resumia à casa e aos filhos. E era ali que ela deveria encontrar sua felicidade ou passar a vida melancólica.

Hoje, décadas e décadas depois da liberação feminina, ainda é tabu uma mulher dizer que não encontrou a felicidade plena na maternidade.

Oras, nem toda mulher curtiu o momento do parto, nem toda mulher foi feliz na amamentação, nem toda mulher tem paciência para brincar de carrinho e boneca, nem toda mulher gosta de dar papinha na boca. Nem toda roda de mulher discute a cor e a textura do cocô do bebê, nem toda roda de mulher divide segredos de como mantém as crianças ocupadas, nem toda roda de mulher rola disputa da pior depressão pós-parto.

A mulher pode encontrar a realização fora da maternidade: no trabalho, na vida social, num hobby, num relacionamento, ou no conjunto de tudo isso.

Não é porque temos a capacidade de gerar filhos em nossos úteros e parir que devemos encarar isso como a felicidade plena, o nirvana.

A maternidade é apenas uma etapa que muitas mulheres vivenciam. Outro tanto opta por não ter filhos e ser feliz assim. E assim o são!

Quando uma pessoa diz que não deseja ter filhos, logo lhe são lançados olhares de piedade, de pena: “coitada, como vai ser feliz assim?”.

Compaixão deveríamos ter pelas pessoas que ainda não compreendem o real sentido da palavra escolha, pessoas que não respeitam a personalidade do outro.

Muitas das mães que estão lendo este texto encontraram, sim, na maternidade o mote de vida, o sentido para todas as coisas. Mas são as mães que têm desejos e metas em outros campos da vida as que mais sofrem. Como se não encontrar a realização na maternidade fosse passar a amar menos o seu filho.

As mulheres podem e devem buscar a felicidade onde quer que ela esteja, sem deixar de ser boa mãe, sem deixar de se dedicar a seus filhos.

Para isso é preciso maturidade e peito forte para encarar as pedradas de uma sociedade que ainda não entendeu que maternidade e filhos são coisas diferentes.

Elas vão se debulhar em lágrimas no nascimento, elas vão se emocionar a cada beijo de boa noite na testa, vão rir das gracinhas e vão se orgulhar de cada aprendizado. Mas nem por isso se sentirão realizadas plenamente.

Eu tenho a maternidade como uma grande transformação na minha vida, talvez ela seja uma boa fonte de realização, mas não é 100%. Tenho outras motivações também.

A maternidade não é a melhor coisa do mundo, ainda que meus filhos sejam a coisa mais importante que existe para custom essay writing service on this website mim.

autor_milene.jpg

Milene é CEO em atividades materno-domésticas (do lar, não!), já que achou a maternidade mais legal do que todos os ofícios que já teve: de psicopedagoga a revisora de textos. Acha seu nome bonito, mas também atende por diiirce, pseudônimo que dá nome a seu blog, o www.diiirce.com.br.

Deixe o seu Comentário


  • Mônica Hadas

    Obrigada por mais um lindo texto, sem preconceitos. É isso mesmo! Adorei.

  • Ely Regina Barros

    Concordo com ela …. Odiei minhas 3 gravidez, nao gostei mesmo de carregar por mais de 9 meses um ser dentro de mim, passei por tudo que uma mulher gravida pode ter … Enfim …. Mas chorei ao nascimento da minha primeira filha , nao sei se foi de alivio depois de 12 horas de trabalho de parto ou de felicidade.Me desesperei com o nascimento da 2 filha pois nasceu roxinha e pensei que poderia ter algum problema futuro . E na 3 gravidez por ser a ultima e um menino , me senti muito feliz de poder trazer ao mundo mais um . Amo meus filhos mais que eu mesma , me preocupo , nao deixo faltar nada que esteja ao meu alcance e cuido mais que tudo.Sou feliz por ter eles … Mas talvez nao fosse diferente se tb nao os tivesse . Eles adicionam , somam mas nao sao minha unica felicidade ou minha unica realizaçao .


Editoriais em Destaque

Passeio escolar

22 de abril de 2013

Você deixa seu filho participar do passeio escolar com tranquilidade?

Como guardar as memórias em espaços pequenos

13 de maio de 2013

Você precisa de ajuda para organizar as memórias de seu filho? Então, dá uma olhadinha neste post, ele está cheio de dicas.

Dicas de vídeos para as crianças

4 de março de 2013

As maiores especialistas no assunto (as mães) contam pra nós quais são os vídeos prediletos dos pequeninos e o resultado é uma lista que garante a diversão da meninada.

Visita na maternidade: o que fazer

30 de setembro de 2013

Saiba o que fazer e como não agir neste momento delicado - e claro, feliz

Galeria Mulher e Mãe