Antes / Durante

Qual a melhor hora para o segundo filho? Os questionamentos de mães (e vizinhos) sobre o segundo filho Carol Baggio

24 de abril de 2013

Qual a melhor hora para o segundo filho?

Por aqui, o (a) segundinho (a) chega em outubro!

Quem leu meu texto da semana passada viu que eu comentei que a minha filha Nina não foi assim, digamos, programada. Claro que no fundo, lá bem dentro do coração, eu e meu ~amaziado~ marido a desejávamos com muito amor, mas explicitamente, até então, não estávamos contando com um bebezinho em casa. Fiquei grávida, ela chegou nas nossas vidas e, plim, passamos a viver intensamente a maternidade/paternidade.

Acontece que, depois que nasce o primeiro filho, parece que as pessoas não pensam em outra coisa a não ser… no segundo! A vizinha do 10º andar pergunta no elevador, a vó pergunta no almoço de domingo, a professora pergunta na porta da escola, as amigas, a manicure, o cabeleireiro, a professora… ufa! É tanta gente querendo saber quando chega um novo bebê que até a gente fica na dúvida. Perdi a conta de quantas vezes nos questionamos “será que seremos pais de filha única?”. Sem contar as mil e uma teorias sobre filho único x mais filhos. Quem opta por filho único parece que está mandando a criança pra forca: “Coitadinho, vai ser solitário”, “Vai ser egoísta e não saberá dividir” e até (pasmem!) “Nossa, imagina quando vocês morrerem, ele vai ficar sozinho” são algumas das pérolas que já ouvi.

Eu não sei vocês, mas aqui em casa a questão sempre foi a dificuldade de conciliar a rotina da pequena sem contar com o apoio direto da família (uma vó mora em outra cidade, a outra, em outro país!). Não rola ligar do congestionamento às 17h e pedir pra buscar a filha na escola, porque você não vai chegar a tempo, sabe? Outra coisa que também sempre ponderamos é a grana. Como disse um amigo, o Bruno (pai do fofo Inácio!), se você fizer contas, simplesmente não tem filhos. Porque é tudo lindo, maravilhoso, mas também muito custoso. Isso pra falar só duas das questões bem, digamos, práticas, que envolvem aumentar ou não a prole…

Mas enfim, a vida tem lá sua graça. Eu, que sempre achei meio chato as perguntas sobre o segundo filho e tinha convicção de que seria mãe de filha única, levei uma lambada do destino. É, pois é, mais um bebê está a caminho – no alto de seus 4 meses e meio de vida intrauterina, também resolveu aparecer assim, de sopetão, “chegar chegando…” Ainda não sabemos se é menino ou menina, mas já entendemos que, assim como a irmã, foi ele quem escolheu sua hora de chegar – vocês acreditam nisso? De que são os bebês que escolhem quando querem nascer? Eu sim! :]

Obs: A barriga da foto é minha mesmo e já começou a ganhar os traços da nova forma que se aproxima. Quem tirou foi o papai – e eu achei que ficou uma delicadeza que só. Quando vi o resultado, me lembrei de uma frase de Carlos Drummond de Andrade, que nada tem a ver com maternidade, mas que se encaixa perfeitamente à imagem: “Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo…”

carol_interna

Jornalista de Campinas que, apesar de morar desde 2002 em São Paulo, continua puxando o erre.  Carol Baggio vive de dieta e adora protetor solar com base. Libriana, acha que é uma pessoa um pouco indecisa, talvez. “Amasiada” com o André, mãe da Nina e autora do blog Nina Ensina.

Deixe o seu Comentário


  • Cintia Souza

    Olha, Carol, o meu primeiro filho não foi planejado, mas como em certas coisas a gente não manda, ele se foi quando eu estava com 08 meses de gravidez, foi um momento que até hoje me doe o coração, na sequência esperei 06 meses e Anita foi sim mais ou menos planejada, achei também que seria filha única como você disse é muito custoso, mas quando ela estava com 2 anos e meio comecei a me sentir estranha, achava que era por conta da mudança para o ap novo, estava alguns dias atrasada e não dei a minima importância, só quando meu apetite aumentou e minha calça preferida não entrava mais, vi que tinha mais alguém por ali, fiz o exame e bingo, grávidos novamente, e quando ficamos sabendo que seria um menino, veio na mente vamos parar por aqui o que queremos, então tomei uma decisão muito importante na vida de uma mulher , não ter mais filhos, fiquei a gravidez inteira pensando em tudo que passei o sofrimento de ter perdido um filho, de tudo que se gasta para se manter uma família inteira ainda mais no dias de hoje onde temos que custear tudo saúde, educação e transporte de qualidade, tomei a decisão não sei se foi a mais correta, mas resolvi e fiz a minha laqueadura, hoje tenho meus casalzinho lindos uma com 08 anos e meu garotinho já com 05 anos, e quando olho para eles e no amor que ele sentem por mim, vi que foi a melhor decisão que tomei, ah e sempre tem gente que me pergunta se vou ter o terceiro e logo digo fábrica fechada, talvez não sei o destino nos envia pois segundo médico a cirurgia nos dá 99,9% de segurança.

  • vilena santos silva

    ai eu tenho uma menina de 4 anos e to com quase certeza de engravidar de novo mas e tanta coisa pra pensar que não e uma decisão fácil bjssssss


Editoriais em Destaque

Deixe o sentimento político renascer

21 de junho de 2013

Você quer entender melhor o momento político pelo qual estamos passando? Então, dê uma olhadinha neste post! Ele explica de um jeito fácil e acessível a situação atual de nosso país.

Livros infantis para cada idade

10 de dezembro de 2013

Sugestões de histórias e dicas para incentivar a leitura desde cedo

Amamentação: somos mais que um par de peitos

2 de dezembro de 2013

No momento mais sensível, temos que tomar uma decisão: amamentar ou não

Ano novo: o que desejamos para nossos filhos em 2014

16 de dezembro de 2013

Confira a lista de pedidos das nossas mulheres e mães

Galeria Mulher e Mãe