De mãe para mãe / Depois

Dois filhos, duas medidas Os filhos são diferentes, a mãe é uma só! E agora? Loreta Berezutchi

30 de abril de 2013

Dois filhos, duas medidas

Ter irmãos é uma delícia, ser mãe de dois é alegria em dobro, e duvidas também!

Quem é mãe de mais de um, certamente já passou por esta situação: você sai pra comprar uma coisa que um precisa e pensa “Ah, não posso voltar pra casa sem nada para o outro, né?” Daí, vai lá e compra alguma coisa, que o outro nem precisava, só para não ver triste o filho que não “ganhou” nada.

Isso se aplica a praticamente tudo na vida de irmãos: compras, comida, brinquedos, passeios…

A cena é clássica e estes dias me peguei pensando: precisa mesmo ser sempre igual?

Não faz nenhum sentido você sair para comprar uma coisa que um PRECISA e acabar trazendo para o que NÃO PRECISA também ,então, por que a gente tem esta idéia fixa de que precisa amar, cuidar, dividir, brincar, alimentar, proteger e etc os dois (ou mais) filhos igualmente? Me parece injusto com a mãe e com os filhos!

Por outro lado, será que padronizar a forma de lidar com os filhos não facilita a vida da mãe? Será que, por causa disto, sentimos culpa? Porque sabemos que no fundo estamos fazendo igual porque é mais fácil e não porque queremos garantir a justiça e a igualdade, será?

Na prática o que acontece é bem simples: é muito mais fácil comprar logo uma coisa pra cada, do que lidar com o choro do filho que ficou sem ou ter que explicar o porquê de ele ter ficado sem.

Calma, eu não estou aqui dizendo que fazemos isso porque somos péssimas mães, fazemos isso porque no dia a dia da rotina materna, estamos tão cansadas que ligamos o automático e daí só reparamos o que estamos fazendo quando alguma coisa dá um alarme, como aconteceu comigo esta semana.

Fui comprar uma chuteira para o Pedro, ele precisava de uma chuteira porque faz aulas de futebol. Entrei em várias lojas até achar a chuteira que ele queria, comprei a bendita e voltei para casa, no caminho pensei: “Ai caramba, não comprei nada para a Cacá!”. Continuei o caminho pensando no choro, no estresse que seria explicar pra ela o motivo pelo qual Pedro ganhou um “presente” e ela não.

No meio deste pensamento me ocorreu um:  “Peraí, eu não estou comprando um “presente” estou suprindo uma necessidade que só o Pedro tem”. Por que eu deveria levar algo para a Cacá se ela não precisa de nada no momento? Apenas para não ter que lidar com a frustração dela?

Cheguei em casa pronta para o “combate”, teria que explicar para a minha pequena os “porquês” de não ter nada pra ela. Entreguei a caixa da chuteira pro Pedro que abriu e ficou eufórico acompanhado de perto pela Cacá que então, perguntou: “E pra mim mãe?”

Respirei fundo, fiz uma cara de normalidade e sabedoria e comecei a explicar: “Filha, você não precisa de chuteira, a mamãe comprou só para o Pedro porque…” não consegui terminar a frase quando ela olhou pra mim e disse: – “Ah, é verdade, só o Pedro que joga “chutibol” né, mamãe? Eu não preciso!”

Dois minutos para recolher o meu queixo do chão…

A maternidade tem umas coisas bem engraçadas, normalmente a gente já sabe o que fazer, é instintivo mas, acabamos por deixar que a rotina, a correria e tudo mais nos influencie e então, coisas que são tão simples acabam se tornando muito maiores.

É natural que você defenda e faça mais coisas para o filho menor, ele é o menor e realmente precisa da sua ajuda mais do que o mais velho, é normal que o mais velho colabore mais com você, ele já te entende melhor e passou pelas fases que o mais novo está passando.

O Pedro adora frutas, Cacá não é muito fã, a Cacá adora arroz e feijão, o Pedro prefere macarrão e assim por diante, eles são pessoas diferentes, diferenças que não estão relacionadas apenas ao gênero mas, as suas personalidades, qualidades e defeitos.

Mesmo os gêmeos idênticos são pessoas, em essência, diferentes. Logo, não há como, e não é preciso, tratar os filhos de forma igual aliás, desconfio que tratá-los de acordo com suas diferenças é demonstrar respeito e amor por suas individualidades.

Então, se voce é mãe de mais de um, assim como eu, mantra comigo: Eu não preciso me culpar por não tratar meus filhos igual, eu não preciso me culpar por não tratar meus filhos igual…

 

 

Deixe o seu Comentário



Editoriais em Destaque

Dicas para desfralde

29 de janeiro de 2013

Conheça as dicas das mães que já passaram pela fase do desfralde

Como guardar as memórias em espaços pequenos

13 de maio de 2013

Você precisa de ajuda para organizar as memórias de seu filho? Então, dá uma olhadinha neste post, ele está cheio de dicas.

Dia das crianças: que tal fazer coisas simples?

7 de outubro de 2013

Brincar, abraçar, cozinhar e até mesmo não usar o celular são agrados que, para muitos, valem mais que um presente

Dicas de vídeos para as crianças

4 de março de 2013

As maiores especialistas no assunto (as mães) contam pra nós quais são os vídeos prediletos dos pequeninos e o resultado é uma lista que garante a diversão da meninada.

Galeria Mulher e Mãe