Depois / Durante

Pra “função mãe” dar certo, a “função pai” tem que colaborar Ser mãe não significa deixar de ser mulher Helena Dias

4 de dezembro de 2013

Pra “função mãe” dar certo, a “função pai” tem que colaborar

A gente não pode esquecer a mulher que existe por trás da mãe, e eles muito menos.

Oi, meninas! Sim, meninas, pois hoje quero falar de mulher pra mulher e não de mãe pra mãe. O que acontece é que quando viramos mães, a mulher que existe dentro da gente às vezes fica esquecida e eu entendo isso: a gente tem o filho, tem a casa, tem o trabalho, o marido e, se sobra tempo, tem a gente. Mas tá errado! Muito errado! Eu falo, mas em casa vejo as coisas bem assim: arrumo o guarda-roupa do meu filho, as coisas da casa estão sempre em ordem, mas meu armário vive revirado. Ele é o último que dou atenção na hora da arrumação. Ok, tudo bem se o problema for só o guarda-roupa. Mas quanto de atenção você tem dado a você?

Desde que engravidei, jurei de pés juntos que não queria ser estas mães que ficam acabadas (porque quando a gente é mãe, caminha a um passo do desleixo e isso é até bem confortável). Mas também entendi que algumas mulheres usam a maternidade como desculpa – não desvie o olhar, não.  Me viro nos 30 pra tentar malhar, fazer as unhas de vez em quando e nunca chegar sem corretivo e blush no trabalho (inadmissível). O cabelo às vezes falha no quesito “buniteza”, mas, gente, rabo de cavalo alto foi criado pra ser usado, né?

Mas tem o outro lado da moeda (e sim, vou alfinetar). Pra uma mãe conseguir dar conta do recado, tem que ter apoio, e na maioria das vezes, esse apoio chama PAI! A tendência do homem é inércia. A nossa é o contrário disso (estão aí as pesquisas de mulheres avançando no mercado de trabalho e que não me deixam negar).

E a maioria dos homens é igual: se a gente não coordena, eles passam a vida na frente do sofá vendo futebol, criando manias, se acomodando… E quando vemos, já se passou uma vida e a gente tá lá, igual as nossas avós e mães, de um jeito que também jurávamos não querer viver. Aí vai de cada uma e da vida que você escolheu pra você. Pra mim, esse look não cai bem, nem um pouco! E vou ser mais sincera ainda nesse ponto casamento. Dizem que filho não segura casamento, mas pra mulher segura, sim. Quem aí já não morreu de vontade de dar um pontapé no bofe e não o fez para não prejudicar os filhos? Pois é, você não é a única. E digo mais: pra um filho, mais vale uma mãe feliz, do que infeliz, ao lado do pai. Não julgo, tá? Isso é só o que penso.

Por isso, exija, grite, fale o que você quer. Mães cuidam de tudo e eles têm que cuidar da gente também: quero sair pra jantar, quero não ter que tomar todas as decisões, quero ganhar flores, ou até mesmo qualquer coisa que ele se dedique. Quero dormir uma noite que seja.

A gente não pode esquecer a mulher que existe por trás da mãe, e eles muito menos.

helena.jpg

Helena Dias é jornalista e mãe de primeira viagem. Junto a maternidade, descobriu a delícia de planejar festas e caçar tendências por aí. Vive na correria e seu passatempo favorito é apertar as bochechas do Benício. Mãe coruja, mantém o instagram @corujicess, onde compartilha as descobertas do filhote.

Deixe o seu Comentário



Editoriais em Destaque

Visita na maternidade: o que fazer

30 de setembro de 2013

Saiba o que fazer e como não agir neste momento delicado - e claro, feliz

Como guardar as memórias em espaços pequenos

13 de maio de 2013

Você precisa de ajuda para organizar as memórias de seu filho? Então, dá uma olhadinha neste post, ele está cheio de dicas.

Mensalão: entenda de forma fácil esse escândalo

4 de julho de 2013

Um texto feito para você compreender o cenário político do país onde criamos nossos filhos

Conselhos para quem vai ter um bebê

25 de fevereiro de 2013

A primeira viagem de uma mãe é inesquecível, mas ela é sempre envolvida por amor, dúvidas e um bocadinho de ansiedade. Então, para te ajudar, perguntamos para algumas mamães que já estão na estrada, que conselhos elas dariam. Vamos?

Galeria Mulher e Mãe