Maternidade Real / Sempre

Rotular uma criança não é legal Ele é tímido, ele é agitado, ele é isso e aquilo... Chega! Denise Freitas

5 de dezembro de 2013

Rotular uma criança não é legal

Afirmar que uma criança é tímida ou brava limita e diminui seu potencial.

Preciso confessar que se tem uma coisa que me deixa completamente irritada são pessoas que costumam rotular uma criança  - inclusive os rótulos que as pessoas dão a minha filha. Nunca gostei de pré-julgamentos e sempre achei prematuro pessoas terem opiniões tão formadas sobre uma criança que acabam de “conhecer”.

Pedro é bravo, Carolina é simpática, Henrique é tímido. Não importa se é um adjetivo positivo ou negativo, determinar por uma ótica a personalidade de uma criança é limitador, desestimulante e diminui o pequeno, principalmente quando essa classificação é feita diretamente a ele.

As crianças estão em constante desenvolvimento e possuem atributos, características e preferências completamente mutáveis. Isso faz parte da sua evolução. Ela pode estar chateada, introspectiva, mas isso não pode ser definido como um padrão.

Recentemente, li uma matéria direcionada a educadores, que falava sobre o tema. Nela, uma doutora em psicologia da educação falava inclusive que um rótulo positivo pode deixar a criança sem autocrítica e ainda prejudicar a enfrentar desafios, para não correr o risco de não ser tão bom quanto o julgam.

Já ouvi diversos rótulos direcionados a Manuela, minha filha de três anos. Em geral, pessoas que não a conhecem dizem: – Nossa, ela é agitada! Confesso que me dói profundamente quando vejo a carinha dela ouvindo tal comentário. Fico pensando o que passa na sua cabeça. Será que entende?

Por experiência, afirmo, ela entende. Já a vi mudar instantaneamente seu comportamento, como quem quer se enquadrar ao que, talvez, não seja o correto. É nessa hora que respondo sem muitas delongas: – Não, ela é feliz e saudável, né Nunu?

Se observarmos atentamente, veremos que os rótulos acontecem também dentro de nossas casas, seja num ato de carinho (você é muito esperta) ou no momento de ira (como você é teimoso). Portanto, vamos fazer o exercício de trocar o juízo de valor por um estímulo adequado. Nossos pequenos merecem muito mais do que uma subclassificação.

Beijos.

 

denise-freitas-2.png

A jornalista Denise Freitas é agitada, estabanada e dona de uma risada inconfundível. Além de crianças, é apaixonada por animais, mas confessa ter uma queda por felinos. Casada com o paizão William e mãe da falante Manuela - de 3 anos, procura equilibrar a vida de empresária, mulher, mãe e autora do blog Mamy de Primeira.

Deixe o seu Comentário



Editoriais em Destaque

Dia das crianças: que tal fazer coisas simples?

7 de outubro de 2013

Brincar, abraçar, cozinhar e até mesmo não usar o celular são agrados que, para muitos, valem mais que um presente

Visita na maternidade: o que fazer

30 de setembro de 2013

Saiba o que fazer e como não agir neste momento delicado - e claro, feliz

O que levar na bolsa do bebê

14 de outubro de 2013

Uma lista completa de itens que precisam ser levados nos passeios

Dicas para desfralde

29 de janeiro de 2013

Conheça as dicas das mães que já passaram pela fase do desfralde

Galeria Mulher e Mãe