Maternidade Real / Depois

Como impor limites aos filhos Saiba se a técnica do quadro de regras funciona Mulher & Mãe

25 de setembro de 2013

Como impor limites aos filhos

A hora de impor limites na educação infantil não precisa ser uma luta!

Nós sabemos que impor limites aos filhos é um dos maiores desafios da maternidade. Isso porque, diariamente, precisamos orientar os pequenos com muito amor e paciência. Dia desses, em nosso grupo do facebook, surgiu um assunto bem interessante: o quadro de regras, ou melhor, um tipo de “contrato formal” entre as partes (pais e filhos), do que pode e do que não pode ser feito em casa.

Algumas mães concordam que o método funciona, outras ficam confusas, principalmente, na hora de reforçar positivamente a criança (como quantificar o bom comportamento?). Por isso, buscamos a ajuda da pedagoga especialista em psicopedagogia e psicomotricidade infantil, Larissa Fonseca. Vamos?

Mulher&Mãe – De maneira geral, o que é e como funciona o quadro de regras?

Larissa – A ideia do quadro é incentivar o cumprimento das regras, mostrando e relembrando as crianças sobre aquilo que devem ou não fazer, como devem ou não agir. Enfim, ele funciona se os pais seguirem e persistirem no que está descrito ali. Isso porque a criança terá um lembrete concreto o tempo todo por perto.

M&M – Essa técnica pode ser aplicada para todas as crianças? Há uma faixa etária específica?

Larissa – A técnica é mais eficiente com crianças a partir de 1 ano e meio e funciona até os 5 ou 6 anos. O que vai mudar é o modo como o quadro é feito e sua apresentação.

M&M – Como montar o quadro de regras? 

Larissa – O quadro de regras deve ser montado com o reforço positivo e, de preferência, em grupo (com toda a família). Com as crianças mais novas, o trabalho de usar imagens e colá-las no quadro deve ser conjunto. Alguns itens são os pais que determinam. Já outros, a criança pode sugerir enquanto os pais explicam porquê aquilo será ou não inserido no quadro. A dica do reforço positivo é: ao invés de escrever “não bater”, escreva “seja gentil” ou “converse quando quiser algo”. Substitua o “não pode gritar” por “fale baixo”, prefira “mantenha o quarto arrumado” ao invés de “não pode bagunçar” etc. Cada família deve inserir aquilo que marca e é significativo dentro de sua rotina. Descreva (com uso de imagens até os 4 anos) quais são as regras de comportamento e convivência, e deixe explícito as consequências para o cumprimento ou não das mesmas.

M&M – O que pode levar o quadro de regras a não funcionar? Quais práticas dos pais podem desacreditar o quadro?

Larissa – O quadro não vai funcionar se os pais descumprirem o que está ali ou se só o fizerem de vez em quando. Para que funcione, é preciso que as crianças entendam e percebam que aquilo é real e que trará consequências para seus atos. Se elas perceberem que  os pais seguem as regras apenas às vezes, a técnica não funcionará. É importante ressaltar que os pequenos nos testam bastante e será preciso que todos relembrem, reforcem e apliquem as consequências do quadro algumas vezes, até que eles percebam que a proposta está valendo. E isso se refere tanto à perda de privilégios quando não cumprirem o acordo, como também ao reforço positivo quando cumprirem.

MM – Alguns quadros de regras funcionam com um esquema de recompensa, você acha isso válido? Pensando na educação das crianças, ganhar recompensas pelo bom comportamento não é errado, visto como um tipo de suborno?

Larissa – O quadro de merecimento é controverso.  Acredita-se que a criança não deve ser recompensada por fazer algo que, teoricamente, é de sua responsabilidade ou dever. Eu acredito que, assim como nós, a criança se sente feliz quando tem um esforço seu reconhecido. A questão é que esse reconhecimento não precisa vir em forma material, como um presente etc. Um elogio, um agradecimento, uma lembrança de que o fato dela fazer tudo direitinho faz com que sobre tempo para brincar com sua mãe, por exemplo, é uma forma de mostrar sua satisfação e também, da criança perceber que fez uma boa escolha ao agir de acordo com as regras. Esse tipo de reforço é positivo e construtivo. A ideia educativa do quadro de regras é que a criança aprenda que existem consequências positivas e negativas para seus atos e que ela deve fazer boas escolhas e não condicionar seu comportamento baseada naquilo que vai ganhar materialmente.

MM – Para garantir o sucesso do método, quais as principais dicas que você poderia nos dar?

Larissa – Estabeleça regras possíveis e que todos irão manter. Evite fazer o quadro em um momento de estresse. Coloque as frases na afirmativa (sentar-se para comer ao invés de não pular na mesa). Ouça o que a criança tem a dizer e considere colocar algo, mesmo que tenha que adaptar. As regras devem servir para toda a família. Para os pequenos com menos de 4 anos, coloque junto com a frase uma imagem representativa. Explique tudo calmamente e com clareza. Certifique-se de que ele entendeu, perguntando algumas vezes se tem dúvidas. Coloque também regras divertidas (como exemplo: todos devem dar boa noite, ou toda quinta-feira vamos conversar/jogar um jogo). Explique com clareza quais serão as consequências do cumprimento ou descumprimento das regras. As perdas de privilégios ou castigos devem ser bem claros e executáveis. Assim, evite dizer que a criança será privada de assistir TV ou brincar por uma semana, ou que não haverá festa de aniversário, se você sabe que não o fará. A consequência deve acontecer imediatamente após o ato, principalmente, para crianças de 1 ano e meio a 3 anos, para que entenda a relação entre ela e seu comportamento. É possível dar certa liberdade aos pequenos em relação ao cumprimento das regras, o que pode facilitar com que eles as cumpram, ou seja, se definiram que às 21h é o momento de ir para a cama e que antes disso devem guardar os brinquedos e escovar os dentes, deixe que a criança defina a ordem em que fará as coisas. Jamais ceda às birras e chantagens (mesmo as chantagens emocionais). Não abra exceções.

Na prática, usar o quadro de regras exige paciência, diálogo e orientação. Educar com limites é sem dúvida a maior prova de amor que nós, mães e pais, podemos dar aos nossos filhos.

Se você ainda tem dúvidas sobre o quadro de regras ou sobre educação, a Larissa Fonseca oferece ajuda e responde muitas delas em seu site: www.larissafonseca.com.br. Dá uma olhadinha lá!

Aqui vão algumas sugestões de imagens que podem ser utilizadas em seu quadro:

Beijos e boa sorte!

 

Imagens: Maurício de Souza

Deixe o seu Comentário



Posts em Destaque

Limpar a casa de forma rápida…e mágica

31 de maio de 2013

Uma mãe, uma lâmpada, um gênio e uma conversa muito doida! Vem que hoje tem postnovela!

Past Papers Of Military College Jhelum BuyWritingPaper.com

25 de março de 2017

10 For How To Write A Research Paper They have a resemblance to an way to a poor student’s prayers, they are the ray of sunshine, a beacon of hope, strategies for guideless students; they become the Paper Writing

Cap. 1 – Eu quero dormir

9 de fevereiro de 2012

A primeira POSTNOVELA MATERNA BRASILEIRA que envolve drama (de preferência o mexicano), cansaço, risadas e situações completamente comuns as mães. E no capítulo de estréia: Eu quero dormir Levanto do sofá, olho para o microondas onde o relógio marca

Quando a mãe deixa de ser a preferida

30 de outubro de 2013

O cansaço pode nos afastar dos pequenos sem que percebamos

Galeria Mulher e Mãe